Ao continuar navegando neste site ou fechar esta janela, você aceita o uso de cookies destinados a realizar estatísticas de visitas, bem como lhe propor vídeos, botões de compartilhamento, anúncios personalizados e um serviço de chat. Para saber mais e configuração de cookies X

FR EN DE ES IT PT
Procurar nos fóruns 
Rastreadores Ankama

O que está pegando? #3: Tudo menos o Grobeto!

Por [Ankama]DOFUS - COMMUNITY MANAGER - 16 Agosto 2019 - 16:00:00
AnkaTracker Notícias

Enquanto os servidores Temporis estão no auge, os mestres de armas das milícias de Bonta e Brakmar, Amayiro e Oto Mustam, estão se enfrentando em um duelo diferente, com a pena em vez da espada. Essa modalidade também pode causar muito estrago... Acompanhe esse enfrentamento que, apesar dos golpes baixos, nos ajuda, entre uma calúnia e outra, a revisar o background das duas grandes cidades...


 

Caro Oto Mustam,

...austero e mesquinho, auxiliar do Mal, robô egocêntrico e desalmado...
 
Bom dia!
Eu gostei muito da sua última carta. Me senti como um pai que encontra um texto do filho e, nele, detecta toda a candura da juventude, uma doce ingenuidade com uma pitada de estupidez tocante. Você tem quantos anos? 95? 100? Você vai ver quando chegar à minha idade... É outro nível. Se viver até lá, é claro!
 
Mais uma vez, sua carta me fez muitíssimo bem. Ela me lembrou de que é realmente muito melhor fazer parte da “Branca” do que de um bando de idiotas sombrios. E, para responder à sua pergunta sobre se eu já tinha ouvido falar da Brak’Marginal... não, espera... ah, sim, da Brak’Maratona, acho... A resposta é clara: NÃO.
 
Simplesmente porque aparece outra coisa no meu Almanax no dia 12 de descendor. Acho que o nome do evento é – dois pontos, abre aspas: “Festa dos Palhaços Sombrios”. Trata-se de um espetáculo de rua popular e estúpido no qual pobres indivíduos vestidos de cores escuras, interpretados por atores bontarianos, retraçam, usando marionetes grotescas, o percurso insignificante de um vilarejo sem graça que insiste em se comparar com uma prodigiosa nação para ver se consegue algum prestígio... mas em vão. Faz muito sucesso em Bonta!
 
Eu notei – com um pouco de desgosto, devo confessar – que você pôs em causa a minha virilidade, minha coragem e minha honra. Esse foi um golpe baixo que, no fim das contas, não me surpreendeu nem um pouco... Mas deixe-me perguntar uma coisa: onde estava você em 554, quando Djaulesse sim era um adversário com A maiúsculo!atacou Bonta? Onde estava você durante essa verdadeira, grande e épica batalha de homens?
 

Eu vou lhe dizer, pois sei a resposta...

Junisdor de 554. O chamado de Ilyzaelle. Na minha opinião, o mais belo contra-ataque de Bonta em seu conflito com Brakmar. O inimigo era grande. As chances eram mínimas. Devo admitir que estava com um nó no estômago... Era a minha primeira grande batalha. Eu tinha vinte e um anos, com uma esposa e um garotinho me esperando em casa, preocupados comigo. Uma batalha impiedosa que acarretou a morte do Príncipe da Cidade Sombria, assassinado por Leorictus, o rei de Bonta, que tomou a coroa do monarca obscuro. Um cálice envenenado... Mas não é essa a história que eu vou contar.
 
No campo de batalha, eu enfrentei um adversário que valia pouco mais que um brakmariano comum. Ele se defendia de uma maneira que quase poderia ser considerada nobre e veemente. Nosso duelo durou muito, muito tempo. Tanto que, quando chegou ao fim, éramos os dois últimos de pé nos arredores. Eu não estava em boa forma e não tinha o nível que tenho hoje, senão o teria derrotado em apenas alguns segundos... Mas, naquela época, demos o melhor de nós e, ainda assim, não conseguimos desempatar. A fim de recuperar o fôlego, nós continuamos a luta, mas com palavras. Parecido com o que estamos fazendo aqui... Ele tinha um certo senso de humor, tenho que admitir. Acabei descobrindo que ele tinha uma esposa e um filho pequeno, a quem prometeu que voltaria para casa.
 

Eu avisei logo que ele deveria escrever para eles imediatamente e avisar que tinha mentido, como bom brakmariano que era. Teríamos apenas que recuar ao mesmo tempo para nos afastarmos um do outro, dar meia-volta e caminhar no sentido contrário por uma centena de kametros: ele teria, então, alguns minutos para escrever um recado para a família. Ele aceitou, desde que eu fizesse o mesmo.
 
Nós combinamos que, depois disso, se nos encontrássemos novamente, terminaríamos o que tínhamos começado: um dos dois mataria o outro, procuraria no bolso a carta e a entregaria à família do falecido. Foi o que fizemos. Pelo menos a primeira parte, a que consistia em nos separarmos para escrever uma carta aos nossos entes queridos, pois... eu nunca mais o vi.

Tudo o que eu sei é que ele se chamava Ixa Mustam.
 

Pois é!

Na verdade, eu já sei qual é a resposta à pergunta: onde você estava em 554, quando Djaul atacou Bonta?
 
Agarrado na barra da saia da sua mãe! E foi seu pai quem me contou! Ha ha! Por essa você não esperava! Aliás... que engraçado... Será que... de certa forma... o fato de eu ter dado uma surra no seu pai quando você era pequeno criou uma espécie de laço de parentesco entre nós? Blergh! Só de pensar fico enjoado...
 
 
Apesar do afeto – o que estou dizendo? – do pouco interesse que tenho por você, devo admitir que fiquei extremamente desapontado quando li uma passagem da sua carta, que citarei aqui: “Os sucessos mais melosos de Grobeto Kralos e companhia são tocados repetitivamente”.
 
Primeiro, não tem essa história de “e companhia”. Há apenas um único Grobeto Kralos. Ponto final. Segundo, o adjetivo “meloso” me parece muito negativo e, consequentemente, inapropriado para se referir ao artista. Ele me fez a grande honra de dedicar uma música a mim. Ele se inspirou na minha coragem e... nesse peso, essa fatalidade que eu carrego em cada batalha: não sei se é o destino (ou simplesmente porque sou muito bom no combate), mas... não posso morrer. Apesar de todos os poderosos adversários que encontrei ao longo do caminho, apesar dos riscos da guerra e dos companheiros que caem no campo de batalha, eu não morro nunca. Ora, vamos lá! Vou citar uma parte:

 

Se tem coragem pra saber quem eu sou,

Eu posso lhe dizer.

Venha me enfrentar na cidade de Bonta

E certamente vai morrer.

Você vai pensar que eu

Sou imortal, e é assim.

Aí na sua cidade

Todo mundo morre de medo de mim!

 

Eu espero que esses versos ajudem você a entender.
 
Nós dois podemos brigar o quanto você quiser... mas deixe o Grobeto fora disso!

Sem a menor consideração,
AMAYIRO
Mestre de armas da milícia de Bonta
 
 


Encontro marcado daqui a alguns dias para descobrir a resposta de Oto Mustam!

Enquanto isso, escreva nos comentários se você é favor ou contra Brakmar, ouça novamente os maiores sucessos da MPB e divirta-se com o Temporis III!

Primeira intervenção da Ankama

Em resposta a Oscarzynhu

Olá, 

Por favor, crie um novo tópico nesta área, informando detalhes do seu problema e quais procedimentos você já realizou.

Exibir contexto da mensagem
Reações 3
Pontuação : 1

baixei o dofus, mais não estou conseguindo instalar alguem me ajuda?

0 0

Olá, 

Por favor, crie um novo tópico nesta área, informando detalhes do seu problema e quais procedimentos você já realizou.

Pontuação : -33

instalou o luncher ou apenas o dofus , que erro voce tem ?

0 0
Comentar neste tópico