Ao continuar navegando neste site ou fechar esta janela, você aceita o uso de cookies destinados a realizar estatísticas de visitas, bem como lhe propor vídeos, botões de compartilhamento, anúncios personalizados e um serviço de chat. Para saber mais e configuração de cookies X

FR EN DE ES IT PT

Como dizia Ary Stotles: “O dozeano é um animal social.” Ele adora se divertir com seus semelhantes, seja curtindo um jogo qualquer, uma comida farta, uma bebida fresca ou... por que não as três coisas? Estamos falando de algo bem comum, ainda mais quando é dia de festa na famosa taberna do Memexilhão Borracho...

O que não faltava era Glutorrum durante a comemoração do Dia do Ripata na taberna do Memexilhão Borracho. Barbão, o Bárbaro, Barbatão e Barben'Spuma, três dos clientes mais fiéis do velho boteco, enfrentavam-se no tradicional jogo de dardos, estrategicamente localizado próximo ao balcão. Além disso... Os jovens “piratas”, como se autointitulavam (embora muitos achassem que eles não mereciam o título), jogavam regularmente o que podemos chamar de “justa de egos”. Eles disputavam para ver quem tinha realizado o feito mais incrível (ou seja, o mais grotesco)! As coisas não foram diferentes naquela noite... Eles contavam histórias e tentavam se exibir de qualquer jeito...

— Nem contei pra vocês... Eu passei por uma das boas, há cinco luas! — disse Barbão, o Bárbaro.

— O quê? Você limpou esses seus dentes podres, foi isso? Muaaahahahaha!

— Vai rindo, vai, Barbatão. Pois saiba que há quem goste desses meus “dentes podres”...

— A Dentinea? Fala sério, a rainha dos Triatuns é capaz de paquerar até uma pá com uma peruca! — acrescentou Barben'Spuma.

Barbão ignorou o comentário de seu amigo. Ele pegou um banquinho que estava debaixo do balcão, levantou a perna direita e pisou com força sobre ele. Em seguida, ele levantou a calça até a altura da panturrilha.

— Estão vendo?

— Como você é peludo... Posso tocar para ver?

Barbão deu um tapão na mão do Barbatão. A carne, espessa como couro de Deminobola, exibia traços de uma mordida que tinha, no mínimo, uns 3 centikametros de profundidade, em forma de semicírculo.

— Pescar Gramarão não é mesmo a sua praia, Barbão... — provocou Barbatão.

— É verdade. Pegar um Trianguejo com as próprias mãos, por outro lado...

Seus dois camaradas trocaram um olhar e, em seguida, fizeram uma careta incrédula.

— Eu juro! — defendeu-se Barbão. O safado estava afiando os dentes bem no casco do meu barco. Aí eu peguei ele por aquela lanterninha lá e o mandei pelos ares. Girei ele como se fosse um pião e BAM! Voo direto e sem escala para Shukrute!

— Sei... Beleza. Enfim, isso não é nada comparado com a vez em que eu derrotei um exército de Morfundos, no meio da noite, no meio de uma tempestade, bem no meio do mês de descendor, no meio de...

Um sonho? Muahahahahaha! — interrompeu Barbatão.

Barbão e ele dispararam a rir enquanto batiam as mãos freneticamente nas coxas.

— Vão rindo, vão... Pelo menos eu sei nadar...

A alfinetada de Barben’Spuma era endereçada a Barbatão. O pirata, normalmente brincalhão, ficou imóvel, visivelmente contrariado.

— Você vai mesmo falar disso de novo? Por Raul Mops, eu não estava me sentindo bem! Só para você lembrar... Eu já atravessei o Mar Mota a nado! Da Ilha de Moon até a Ilha de Grobe em 3 dias!

— Ah tá, e eu construí os abismos de Sufokia! — respondeu Barbão, em tom de deboche.

— E eu dei uma surra no Tchuke! — completou Barben'Spuma.

Barbão e Barbatão voltaram a rir escandalosamente.

— Não, mas então... Eu tô falando sério, pessoal.

Os dois piratas pararam. Barbatão segurou-se para não abrir a boca. Barbão, no entanto, olhou para cima e bufou.

— Parou com a brincadeira, Barben'Spuma. O Tchuke? Você acha mesmo que a gente vai acreditar nisso? — irritou-se.

— Meu caro, está para nascer quem vai conseguir vencer o capitão do Peroba, então não me venha com essa conversa pra boi dormir!

— Só aquele maldito macaquinho Moon conseguiu alguma coisa. E foi sem querer! — acrescentou Barbão.

— Mas se eu estou falando que eu...

— E a tripulação de esqueletos ambulantes dele? Acabou com todos eles também? — indagou Barbatão.

— Espera só pra ver se daqui a pouco ele não vai dizer que adotou Matrak...

— E que venceu o Tchuke na queda de braço. Ou melhor, na queda de gancho! Muahahahahahaha!

Tomado por um riso incontrolável, Barbão se engasgou com o Glutorrum que bebia. Barbatão, por sua vez, beijou a ponta do dardo antes de arremessá-lo, mas errou o alvo mesmo assim.

Barben'Spuma tentava falar. Em vão.

— Pro seu governo, o Tchuke nem tem mais gancho. Ele tem uma mão de verdade que ele arrancou de um ladrão, seus ignorantes. E o que eu queria dizer é que...

— Aaah, já chega! Para começar, como é que você conseguiria vencê-lo? Vai, conta aí, estou bem curioso pra sab...

Barbão, que estava quase arremessando seu dardo, não teve tempo de terminar a frase. Ele sentiu alguma coisa passar de raspão em seu rosto à altura da têmpora, seguida de uma leve corrente de ar e um assovio. À sua frente, um sabre surgido do nada cortava o ar e atingia bem em cheio o centro do alvo coberto de dardos dos três amigos.

Paralisados de medo, Barbatão e ele não ousaram se virar. Barben'Spuma, um pouco mais afastado para pegar seu copo que estava sobre o balcão, pôde ver algo que respondia ao questionamento de seus dois amigos: — Quem foi? Um sorriso repleto de satisfação, com uma pontinha de vaidade, iluminou seu rosto.

— ASSIM.

Uma voz cavernosa, como se viesse do além, ressoou atrás deles. Logo em seguida, uma sombra gigantesca parecia prestes a engoli-los vivos. Essa silhueta, opulenta e fantasmagórica... Só podia ser ele.

O Tchuke em pessoa, acompanhado de alguns membros da sua tripulação, havia acabado de entrar no recinto. Silêncio mortal na taberna. Os clientes ficaram paralisados, como se estivessem brincando de estátua. Barben'Spuma aproximou-se do alvo para retirar a adaga que estava plantada nele. Em seguida, ele foi até o Tchuke enquanto todos observavam embasbacados. Ele estendeu a arma ao pirata com um sorrisinho malicioso no canto da boca.

— Pronto para a sua revanche, capitão?

Desde que foi alvo de um feitiço ativado acidentalmente pelo Moon por causa de um estúpido jogo de dardos vodu, o pirata criou o hábito de, todo dia 19 de septange, enfrentar quem quer que esteja disposto a participar desse joguinho. Ele ainda não ganhou nenhuma partida, incluindo a que disputou contra Barben'Spuma, mas também nunca falou nada sobre o feitiço que está guardando para o futuro perdedor...