Ao continuar navegando neste site ou fechar esta janela, você aceita o uso de cookies destinados a realizar estatísticas de visitas, bem como lhe propor vídeos, botões de compartilhamento, anúncios personalizados e um serviço de chat. Para saber mais e configuração de cookies X

FR EN DE ES IT PT

A era dos Servidores Temporis chegou! E também chegou a hora de Varkonos enfrentar seu destino... Ser ou não ser um discípulo de Xelor? Eis a questão; e, para respondê-la, o jovem aventureiro está pronto para seguir a pista até o próprio deus do tempo, se for preciso!

Com um sorriso nos lábios, animado por um sentimento pueril de ter escapado por pouco, ele corria como o vento por entre as ruas e caminhos do campo, até que o verde substituísse o pavimento, e o canto dos pius, o ruído da cidade. Quase sem fôlego, mas feliz, Varkonos parou de correr quando já estava bem longe da biblioteca... e de sua mãe raivosa!

Sentou-se com as pernas cruzadas embaixo de um grande carvalho e retomou sua leitura cativante entre duas raízes:

"Os discípulos de Xelor são conhecidos como "cronomagos". Eles controlam o tempo e os deslocamentos1219."

 

No pé da página, uma nota do Mago Ax especificava:

"… 1219 Se a principal e demonstrada característica do deus Xelor é o domínio do tempo, esquece-se, muito frequentemente, a noção de espaço que ele controla da mesma maneira.

Note-se também que Xelor é considerado por grande parte de homens e mulheres da ciência como o suposto criador dos Zaaps. É verdade que a tecnologia utilizada para a concepção dos Zaaps parece vir de um outro planeta e não do Mundo dos Doze — aliás, esse é um ponto no qual a oposição se apoia para contestar a origem deles —, mas você acha mesmo que este seria um empecilho para uma divindade do Krosmoz, ainda mais se ela... é o deus do espaço-tempo? Ah...! Aí todo mundo fica caladinho, né?!"

 

"… Para definir essa noção de espaço-tempo, alguns falam de "Kontinuum""

Um estalo interrompeu a leitura de Varkonos. Ele olhou em volta de si. Nada… E depois uma risadinha: era seu irmão mais novo, Beral.

"Aqui em cima, bobão!"

Varkonos olhou para cima: o Feca de onze anos estava suspenso em um galho pelas pernas, com a cabeça para baixo, e mastigava um bastão de alcaçuz.

"Droga, Beral! Você tinha que contar tudo para a mãe?

  • Não… mas eu ia acabar tendo que arrumar o celeiro!
  • Eu vou arrumar é essa sua cara, seu peste!"

O mais velho, com dezesseis anos, passou raspando da cabeleira loira de seu irmão. Rindo muito mais, este subiu ainda mais alto pelo carvalho.

"Venha me buscar, seu lerdo!"

Irritado, Varkonos lançou um feitiço de desaceleração. Era a primeira vez que isso acontecia, ele nem sabia como tinha conseguido, somente que ele tinha empregado toda a vontade de seu ser; e, de repente, tudo parecia estático ou quase. Ele escalou a imponente árvore, encarando Beral, quase imóvel, para se instalar no galho mais alto. Então, como o adolescente imobilizou-se, o tempo voltou a correr normalmente.

"Quem é mesmo que você tratou de lerdo?"

Sem acreditar, Beral olhou para cima. A surpresa quase o derrubou.

"Mas… como você…?

  • Ei, você! Venha me pegar, agora!"

Beral parecia não ter mais vontade de brincar. Seu olhar havia mudado. Ele desceu:

"Ei! Volte, Beber! Era só uma brincadeira…"

Já no chão firme, o jovem Feca respondeu:

"Achava que você só queria azucrinar o pai e a mãe... não que você fosse realmente um desses magos estranhos…"

O mais novo deu no pé. Varkonos ficou um pouco abalado. Desceu de seu poleiro dando-se conta pela primeira vez que, ao escolher mudar de classe, ele também corria o risco de ver muitas outras coisas mudarem.

Pouco tempo depois, ele começou a sentir a pele de seu corpo quase todo queimar, como se fosse uma queimadura de sol. A sensação aumentou e ele começou a ficar com tanto medo que acabou se jogando no rio próximo ao campo onde se encontrava.

 

Um pouco mais tarde, Varkonos, todo molhado, chacoalhou-se como um Kilorf. Ele voltou para debaixo do grande carvalho e, pingando, contemplou por um instante o livro aberto no chão. Ele hesitou, mas finalmente retomou a leitura, em busca de novas respostas:

"...Os seguidores de Xelor enfaixam o corpo para não sofrerem os efeitos nefastos das distorções temporais. A arte deles é muito perigosa. Um espacinho mínimo entre duas bandagens já seria o suficiente para causar um incidente terrível: se uma parte do corpo deles não estiver coberta, ela não viajará no tempo na mesma velocidade que o resto do corpo! Uma pequena distração pode custar muito caro, e agora sabemos por que motivo há pouquíssimos exibicionistas entre os Xelors..."

 

Varkonos aceitaria cobrir-se de bandagens? Seria capaz disso? Talvez seu irmão mais novo tivesse razão: talvez fizesse tudo isso para encher o s... para contradizer seus pais? O adolescente não tinha muito mais certeza. Ele devia continuar a analisar a questão; aprender e entender, acima de tudo. Ele fechou a enciclopédia do Mago Ax, pensou um pouco, e abriu-a novamente em um novo capítulo. Ele intitulava-se: "A deusa Feca é um caso sério".