FR EN DE ES IT PT

Quando as fronteiras da vida real ficarem turvas, algo estranho acontecer no bairro ou luzes inexplicáveis tomarem conta dos zaaps, quem você vai chamar? Lox Myster e Nada Skelett, nossos agentes dos Fatos Bizarros e Anormais! E o que poderia ser mais bizarro e anormal do que... as anomalias temporais?

Uma sombra felina surgiu no vidro embaçado da porta. Depois de bater, ela entrou de uma vez sem esperar resposta.

"Myster?"

Uma Sram de cabelos ruivos entrou em um escritório mal iluminado, cujas poucas janelas altas indicavam que ficava no subsolo. Um raio de luz atraiu a atenção de Nada Skelett para um cartaz: a frase "EU ACREDITO!" estava escrita em letras maiúsculas sobre um desenho desfocado do Papai Nowel caminhando em uma floresta com a mão esticada, como se estivesse se protegendo de um flash.

— Esse desenho foi feito com carvão há algumas semanas por um Enutrof chamado Bybo Bahr. — Lox Myster afirmou com orgulho, levantando-se repentinamente de sua cadeira cheio de convicção, mas com o chapéu torto. — Ele estava voltando de uma gaiola noturna... Sabe o que é? Aquelas gaiolas usadas para descer nas minas, para trabalhar a noite inteira... Enfim! A criatura titubeava na floresta quando foi surpreendida por um senhor de idade. Ele sacou imediatamente uma folha de papel e um pedaço de carvão para desen...

  • — Isso é uma HPBD, Myster, até a minha avó sabe disso.
  • — HPBD?
  • — Isso mesmo, uma "história pra boi dormir"!
  • — Ah... Bom, EU acredito!
  • — Eu sei — suspirou ela, mostrando o cartaz. — Está escrito ali... Mas não quero começar uma dessas discussões intermináveis com você. O que está acontecendo? Você me deixou uma mensagem pedido para eu vir aqui o mais rápido possível porque... — ela fez aspas com os dedos e mudou a voz — "desta vez é pra valer, eu juro, Skellet"...

O Xelor permaneceu impassível diante dessa imitação mal feita. Ele tirou o chapéu para ajeitá-lo o reposicionou na cabeça antes de pegar outra ilustração na gaveta. Com um único gesto, ele a fez deslizar na mesa na direção de Skelett, que a pegou e contemplou. A imagem representava uma Huppermaga envolta em uma capa roxa. Seu olhar era profundo e longo, mas não tanto quanto seu nariz.
 

 

Julith!

  • — Exatamente, Skellet. “A Açougueira de Brakmar”.
  • — Mas por que você está me mostrando esse desenho?
  • — Trata-se de um retrato falado que eu recebi hoje de manhã. Vou recapitular: ontem à noite, às 22h57, Paneno Ciztema teve um mal-estar a bordo do zaap de Brakmar. O Zobal caiu de joelhos e, num piscar de olhos, teve a impressão de ter ido parar em um lugar parecido com Brakmar, mas que não era Brakmar. Ele reconheceu o chão roxo e as pontas que ornam os velhos edifícios, mas havia algo de estranho. O lugar parecia deserto, tudo parecia morto... como se o tempo tivesse parado. Ele levantou a cabeça. Foi naquele momento que ela apareceu, imperiosa: seu olhar parecia pesar uma tonelada sobre os ombros de Paneno. Ele não conseguia se mover. Julith parecia estar em casa, em um mundo onde ela seria a dona de tudo. Até aquele momento... hm... desconcertante... que não consigo analisar...
  • — Qual? — perguntou a Sram, que finalmente parecia interessada.
  • — Ahn... Paneno me explicou que Julith se assustou com um esquilo.
  • — O quê??
  • — A criatura estava correndo atrás de uma bolota.
  • — Julith tentou carbonizá-la com um único gesto, segundo Paneno, mas, ao que parece, a criatura sobreviveu e escapou... Não sei se isso tem algum significado, se é só uma interpretação do cérebro... talvez um mecanismo de defesa diante de uma situação tão esquisita... ou uma visão puramente simbólica... Seja como for, Paneno Ciztema acordou 56 minutos depois no mesmo lugar, mas adivinha? ... O relógio dele tinha parado às 22h57! Incrível, não acha?
  • — Então como ele sabe que se passaram 56 minutos?
  • — … Não faço ideia, ele dever ter perguntado a alguém na rua.
  • — Ou a um esquilo... — disse ela em voz baixa.
  • — O quê?
  • — Não, nada... E que fim levou a bolota? — ironizou a Sram.
  • — Nenhum sinal dela... — Myster respondeu inocente e misteriosamente.
  • — Eu estava brincando, Lox! Não quero saber dessa bolota e desse esquilo! Você me contou a história de um Zobal que desmaiou e... de uma mulher que morreu há mais de duzentos anos!
  • — Ah! Eu também pensei logo em uma assombração! Mas Paneno Ciztema me olhou de um jeito estranho quando eu perguntei se ele tinha tentado passar a mão através dela... Bom, não importa. Se você quiser mais informações, aqui está o relatório completíssimo que eu redigi a respeito da nossa querida feiticeira...

Ele colocou uma pasta sobre a mesa e Nada consultou a primeira página:

Nome: Julith
Sobrenome: Abigor
Classe: Huppermaga
Atividades: Feiticeira, açougueira, guardiã do Dofus Ébano, organizadora de eventos dramáticos
Passatempos: Tricô e necromancia

Datas importantes:

  • Em meados dos anos 80 (380!), Julith tornou-se Huppermaga depois de terminar sua formação ao lado de Jahash Jurgen.
  • No fim da mesma década, com sua licença de feiticeira e o diploma de guardiã do Dofus Ébano no bolso, ela tentou destruir Bonta. Mas Jahash, que havia se tornado guardião do Dofus Marfim e protetor da cidade de Bonta, não gostou muito da ideia: a destruição não mandaria uma imagem muito positiva de sua cidade.
  • O combate dos dois durou 68 dias até que, no 69o, uma reviravolta (huhu...) pôs fim à situação: eles se apaixonaram.
  • Daquela união, nasceu um filho: Joris Jurgen, em 390 (verificar a informação: há incoerências em relação à idade deste último... que, ao que parece, ainda está vivo!)
  • Naquele mesmo ano, Jahash se sacrificou para salvar Bonta. As circunstâncias dessa tragédia não são claras, mas parece que Julith fez uma enorme besteira.
  • Ainda em 390, Kerubim Crepim acolheu Joris (obs: as informações sobre esse Ecaflip apresentam as mesmas incoerências que as de Joris...)
  • Em 400, a feiticeira conhecida pelo apelido duvidoso de Açougueira de Brakmar teria feito um retorno triunfal, mas as circunstâncias e consequências desse reaparecimento parecem ainda mais confusas que as da última vez...
 

— De fato, o dossiê me parece bastante completo… — admitiu Nada.

  • — Obrigado! No final, você encontrará a transcrição do depoimento de Paneno Ciztema. Foi ele quem fez o retrato falado...
  • — Que sorte a nossa que todas as testemunhas saibam desenhar tão bem...
  • — É, eu também acho! — respondeu Lox genuinamente empolgado, sem notar o sarcasmo de sua colega. Vamos, ao trabalho!"

Continua…

Se vocês também quiserem investigar essa personagem, podem encontrá-la nessas histórias (em francês):

  • DOFUS – Livro I: Julith: filme disponível em DVD e Blu-Ray na Ankama Shop
  • DOFUS – Julith & Jahash: mangá disponível na Ankama Shop
  • E mais

OBS: A publicação original desta notícia mencionava por engano a data de 2 de abril como a data de lançamento da atualização 2.51. Esta data ainda precisa ser confirmada após uma fase do BETA, permitindo assim que identifiquemos quaisquer erros pendentes. Nós informaremos a data precisa desta atualização logo que for possível. Agradecemos pela compreensão.